Osteopatia em Pediatria: O que é e qual a sua importância?

Quando pensamos em Osteopatia associamo-la muitas vezes a manipulações e a uma abordagem que pode ser «agressiva». Torna-se difícil imaginar um bebé a ser tratado com Osteopatia.

Mas afinal o que é a Osteopatia e o que pode fazer pelos nossos bebés? O seu bebé tem alterações do sono, está sempre muito agitado e inconsolável, tem uma assimetria na forma da sua cabecinha ou está sistematicamente doente? Este texto é para si.

O grande objetivo da Osteopatia é harmonizar o bebé, e consequentemente a vida da sua família. É uma abordagem que procura avaliar o bebé (ou a criança), tratando-o depois quase exclusivamente com as MÃOS. A Osteopatia defende que se a estrutura estiver equilibrada, as diferentes funções do corpo decorrerão com normalidade, diminuindo a predisposição para o aparecimento de patologia.

Baseia-se num conhecimento profundo da anatomia, fisiologia e biomecânica do corpo do bebé, assim como do seu desenvolvimento sensório-motor.

É uma abordagem muito SUAVE, que respeita a frágil estrutura do bebé, pelo que o tratamento é muito seguro. Há um profundo respeito pelo pequenino e pelo seu ritmo. Tratamento e brincadeira com os pais têm de fazer parte de uma mesma sessão.

O Osteopata vai procurar assimetrias, alterações de mobilidade/flexibilidade (no sistema músculo-esquelético, nas estruturas crânio-sacras e/ou viscerais) e/ou alterações no padrão normal de movimento.

Nos bebés a maioria da intervenção decorre ao nível do crânio, de onde saem nervos fundamentais, como o importante nervo vago que controla, por exemplo, a esfera digestiva. Existindo uma alteração que coloque em tensão o nervo, as funções por ele reguladas, estarão alteradas.

A Osteopatia em bebés visa corrigir e/ou prevenir alterações que possam por exemplo ter origem nas compressões a que o bebé está sujeito na sua vida intrauterina e no parto, em particular no parto instrumental. As consultas começam com uma conversa aprofundada (anamnese) sobre a gravidez, o parto, o sono, a alimentação, a saúde, o desenvolvimento motor do bebé, entre tantas outras questões.

Os bebés podem ser encaminhados para uma sessão de Osteopatia desde o nascimento, sendo que quanto mais precoce o tratamento melhores serão os resultados. Após a primeira sessão os pais podem começar a constatar as alterações.
É um tratamento global, que procura a causa da alteração. Os pais são uma parte importante no tratamento que não se cinge ao espaço do consultório. A intervenção tem um efeito de ressonância no pós-tratamento, na medida em que após remover a causa do problema, o bebé mobiliza os seus circuitos internos de busca de um novo equilíbrio, mais saudável.
Os pais são convidados a realizar um conjunto de exercícios, alterações de hábitos e/ou estimulações identificadas como importantes para o tratamento dos seus filhos. É um processo dialogado em que a família é escutada e as soluções encontradas são individuais e têm em conta a especificidade e opções de cada família. Com flexibilidade, as propostas vão no sentido de promover o desenvolvimento saudável do bebé e uma melhor qualidade de vida da sua família.

O que trata a Osteopatia?

  • Plagiocefalia (cabeça assimétrica)
  • Torcicolo congénito ou postural
  • Assimetrias da estrutura músculo-esquelética
  • Problemas respiratórios ou digestivos (infeções respiratórias recorrentes, cólicas, refluxo gastro-esofágico, obstipação, entre outros)
  • Cólicas
  • Irritabilidade sem justificação aparente
  • Choro prolongado
  • Obstrução do conduto lacrimal
  • Otites frequentes
  • Alterações do sono
  • Alterações músculo-esqueléticas
  • Assimetrias posturais e de movimento
  • Bebés cujo a gravidez, parto ou pós parto foi marcada por complicações

Publicado na revista Crescer: https://www.crescercontigo.pt/osteopatia-pediatria-necessaria/

Deixe um comentário